Marcos Dangremon, Advogado

Marcos Dangremon

Cachoeiro de Itapemirim (ES)
14seguidores101seguindo
Entrar em contato

Principais áreas de atuação

Direito do Trabalho, 50%

Conjunto de normas jurídicas que regem as relações entre empregados e empregadores, são os direit...

Direito Administrativo, 50%

É um ramo autônomo do direito público interno que se concentra no estudo da Administração Pública...

Comentários

(7)
Marcos Dangremon, Advogado
Marcos Dangremon
Comentário · há 6 anos
Levando em consideração a suposta justificativa do magistrado e, via de consequência, acatando os argumentos, "acredito" que não foi uma imposição mas tão somente mero pedido, objetivando salvaguardar o ambiente, as solenidade, e a própria urbanidade exigida de servidores e partes.
Ocorre que o "pedido" é direcionado aos advogados e as partes. Não existe pedido aos Promotores e servidores da justiça. Por mais que eles façam parte do juízo devem respeito ao juízo de qual fazem parte e de igual forma devem respeitar as solenidades.
Seria indelicado "pedir" aos servidores e promotores para se levantar quando o juiz entrar? Ou só quem precisa ser lembrado que educação e solenidade existem são advogados e partes?
Também fico entristecido quando percebo algum Juíz, Promotor ou servidor não saber lidar com fatos e com as partes em audiência e nos cartórios, passam por cima de questões processuais e por cima das próprias pessoas.
Também entendo que a OAB tem outras preocupações, mas não acredito que esse seja um “fato tão simplório”. Se uma ação ou omissão se afasta das determinações contidas em lei, no caso a lei
8.906/94 (Art. 6º Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos.). não pode ser considerado simplório, sob pena de banalizar a própria lei.
A propósito existem muitas outras questões mais significativas no cotidiano de qualquer juízo do que a reverência em questão.

Recomendações

(7)
Ouvidoria Municipal, Ouvidor do Meio de Comunicação
Ouvidoria Municipal
Comentário · há 7 meses
Prezado ilustríssimo. Sua expressão ideológica nem precisa ser exposta. Sua resposta já a expôs. Os autos do Presidiário Lula, foram elaborados com todo direito a defesa ofertado. Os seus defensores são os mais caros e, possivelmente os melhores do País. Não estamos falando de membros do Judiciário que são analfabetos iguais ao Réu. Contudo, foram derrotados pelos conteúdos incontestáveis contidos nos autos, levando o Réu a ser condenado em segunda instância. Estaria na sua opinião todo o Judiciário Brasileiro combinado a condenar o Presidiário Lula? Será que os Tribunais Superiores que servem para corrigir erros jurídicos de primeira instância não conseguiram perceber que a condenação foi baseadas em meras PRESUNÇÕES? Portanto, não há o que se falar aqui sobre o Presidiário e sua condenação, mas o comportamento de uma Corte Superior de Justiça que mostrou-se fraca no descumprimento do Mandado contra Renan Calheiros, Que através de uma decisão verbal de um Ministro, rasgou a Constituição na cara de todos os brasileiro quando deu todos os direitos políticos a Dilma quando esta sofreu o impeachment. E daí pra frente tornou-se comum decisões Monocráticas e Verbais derrubarem todo e qualquer tipo de conteúdos em autos processuais, de inquéritos e, sempre prevalecendo a vontade pessoal de algum Ministro. Esse caso do Deputado é só mais um. Estamos falando da maior Corte de Justiça desse País que deveria ser o simbolo máximo do respeito e esperança de uma população em sua grande maioria injustiçada.

Perfis que segue

(101)
Carregando

Seguidores

(14)
Carregando

Tópicos de interesse

(32)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres
Fale agora com Marcos
Rua Muniz Freire, 258 ,Centro - Iconha (ES) - 29280000

Marcos Dangremon

Rua Muniz Freire, 258 ,Centro - Iconha (ES) - 29280-000

Entrar em contato